Aulas à distância

Espirais malucas a partir da obra de Vera Molnar

Com o surto do COVID-19 a alastrar-se, a UP implementou o plano de contingência. O que significa a suspensão das aulas presenciais e substituição por momentos/aulas à distância.

Durante a sessão da manhã (já disponível online) e durante a tarde também (vídeo em breve) as dúvidas exercícios e discussão foram muito fixes.

Hoje, a aula foi em regime de webinar no Collibri-Zoom. Apesar da hesitação inicial e dos “soluços” de software e de hardware típicos de uma solução com esta escala/contexto, correu muito bem. conheci ou revisitei o trabalho de autores espetaculares selecionados pelos estudantes, como a Bridget Riley.

Bridget Riley

Estivemos a ver trigonometria (com o desenho de um espiral para a Matilde com o seno, o coseno e o espetacular atan2) a partir das obras da Vera Molnar e a normalização de valores de escalas diferentes para a Vera com a função map(). Na realidade estas dúvidas são bastante avançadas e iremos abordar algumas no próximo módulo, mas fico muito contente que tenham sido colocadas já nesta fase. Demonstra curiosidade e empenho!

Vera Molnar
Espirais irregulares de Vera Molnar

Uma das funções que tenho visto muitos dos estudantes usarem —e que fiquei curioso por saber que tutoriais andavam a ver— é o resize(). É bastante simples de compreender e, pelos vistos foi muito útil para alguns. Fiquei contente por ver que andam a estudar/praticar.

Isto permite manipular a dimensão (fazer a reamostragem) da imagem em tempo real. O que é top para poder mudar a escala/resolução/precisão do novo retrato.

Também tivemos a curtir a obra de Manfred Mohr, a propósito das dúvidas da Sofia.

Assim de repente foi isto. Num próximo artigo irei partilhar o link para os vídeos do registo das sessões para quem quiser ver mais tarde.

https://images.saatchiart.com/saatchi/733487/art/3196031/2265918-IFSXSYKS-6.jpg

Marcel Schwittlick

O trabalho do Marcel também foi discutido a nível de estratégia de desenho. Vai ser muito semelhante ao que fizemos com o Caggianello, mas… com um algoritmo de “não-repetição” de posições. Vamos ver para a semana o que aparece.

Um dos que mais gozo me deu, foi ver (e brincar com) a dúvida da Maria Júlia a partir da obra de Horacio Garcia-Rossi. Estivemos a tentar perceber o algoritmo da obra dele. Embora não totalmente finalizado, nos pouco minutos em que estivemos de volta do conceito rascunhamos algo bem perto… fiquei com vontade de terminar. Talvez para o ano, ou no final do semestre.

https://uploads7.wikiart.org/images/horacio-garcia-rossi/progression-1959.jpg
Horacio Garcia-Rossi

É incrível como um pequeno conjunto de regras provocam uma “emergência” tão grande. Estes artistas são excecionais mesmo!

Giorgia Lupi and Kaki King —    Bruises: The Data We Don’t See

Outra autora discutida foi a Giorgia Lupi. Esta usa imagens nas visualizações. Será que vai ser desta um trabalho com milhares de PNGs?

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *